Saúde mental: conheça os tratamentos mais indicados para transtorno explosivo intermitente

psiquiatria

Por Redação Secad   | 

Uma pesquisa da Associação Americana de Psiquiatria (APA)  revela que cerca de 2,7% da população mundial sofre de Transtorno Explosivo Intermitente (TEI) – também conhecido como Síndrome do Hulk.

O TEI é um distúrbio que gera comportamentos agressivos, com acessos de raiva descontrolada e agressões desmedidas motivadas por situações corriqueiras. A pessoa com esse impulso costuma ter não apenas a saúde mental afetada, mas vida social, inclusive.

Como tratar o transtorno explosivo intermitente

O tratamento mais indicado para o TEI é a terapia cognitivo-comportamental (TCC) e o apoio familiar. De maneira geral, o acompanhamento feito pelo profissional da saúde mental ajuda o paciente a administrar os impulsos e a ansiedade causados pelos sentimentos de agressividade, ajudando a desenvolver estratégias para conter a raiva. Assim, os comportamentos serão mais sociáveis, transformando o humor e a qualidade de vida do indivíduo.

Alguns casos necessitam de abordagem medicamentosa, com acompanhamento psiquiátrico associado. Os medicamentos mais indicados para o distúrbio são os antidepressivos ou estabilizadores de humor (lítio e carbamazepina), uma vez que ajudam o paciente a controlar as emoções, diminuindo os impulsos agressivos.

Conheça os Programas de Atualização em Psicologia, desenvolvidos em parceria com as principais instituições da área.

Como diagnosticar um TEI de um ataque de raiva

O diagnóstico do TEI é feito com base ao histórico do paciente e de relatos de familiares sobre sua conduta em situações diárias. É importante lembrar que o transtorno só se comprova quando há repetição dos comportamentos agressivos por certo tempo – o que indica se tratar de uma enfermidade crônica.

Segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5) , para cada três pacientes homens, uma paciente mulher tem o TEI. O transtorno atinge 3,1% da população no Brasil. Os estudos realizados pela APA apontam que as pessoas que sofrem da Síndrome do Hulk e possuem outros distúrbios mentais, como ansiedade e depressão, têm pelo menos quatro vezes mais prevalência em possuir a doença.

Sintomas mais comuns no transtorno explosivo intermitente

  • Agressões físicas e sem justificativa ou razão;
  • Surtos de raiva repentinos;
  • Pressão e batimentos cardíacos descontrolados;
  • Arremesso de objetos durante a crise;
  • Sudorese e tremores pelo corpo;
  • Falta de paciência e irritabilidade;
  • Falta de controle sobre as próprias ações;
  • Culpa após o ataque.

É fundamental que o paciente esteja ciente de que possui o transtorno e aceite ajuda profissional. A partir daí, a indicação de práticas de respiração, exercícios de relaxamento e esporte são de grande valia como suporte para uma melhora no quadro do comportamento explosivo.

Quer mais conteúdo gratuito? Baixe o e-Book grátis A Importância do Tratamento Preventivo na Saúde Mental:


whatsApp_image